Fechar
Abrir

“Vejo com simpatia que partidos da esquerda radical se aconcheguem ao arco europeu”

O antigo ministro do PSD Eduardo Catroga considerou hoje positivo que partidos à esquerda no espectro político se “aconcheguem” àquilo que chamou o “arco europeu” porque poderá contribuir para aumentar a integração política na UE.

“Vejo com boa simpatia quando os partidos da esquerda radical se aconchegam ao arco europeu”, disse hoje Eduardo Catroga, na conferência, em Lisboa, que assinala os 30 anos da criação da Agência Lusa.

O ex-ministro das Finanças de Cavaco Silva, e atual presidente do Conselho Geral e de Supervisão da EDP, considerou que esse movimento é importante para que na União Europeia (UE) seja possível criar um “consenso político” e, assim, haja “um maior grau de integração política”, que permita uma maior “integração económica e fiscal”.

Catroga citou o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, para considerar que hoje os “novos conservadores são os partidos socialistas da esquerda radical que não querem mudar nada”.

Para Catroga é preciso fazer mudanças nas políticas económicas e de finanças públicas para preservar a estabilidade financeira do Estado, preservar o Estado Social, tendo considerado que “o maior inimigo do Estado Social Europeu é o Estado falido”, e aumentar o crescimento económico da Europa.

Eduardo Catroga participa hoje, na conferência da Lusa, num debate com a socialista e eurodeputada Maria João Rodrigues e com a deputada do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua.

 

Notícia corrigida no dia  17 de março de 2016, retirando a referencia de que Eduardo Catroga foi o negociador pelo PSD do memorando de entendimento com a ‘troika’. O ex-ministro apenas foi indicado pelo PSD para receber, do Governo liderado por José Sócrates, informações sobre o processo negocial do Executivo com a ‘troika’.

Voltar atrás